26/4/2019 a 12/5/2019 Festival DDD: Teatro Nacional São João recebe estreia nacional de Lia Rodrigues

Fúria é a mais recente criação da coreógrafa brasileira Lia Rodrigues que vai ser apresentada, em estreia nacional, no Teatro Nacional São João, no Porto, no âmbito do Festival DDD – Dias da Dança 2019.

cardapio.pt @ 24-4-2019 15:44:34

"Um Encontro Provocado" © Carlos Fernandes

"Um Encontro Provocado" © Carlos Fernandes

O Teatro Nacional São João (TNSJ) associa-se, pelo terceiro ano consecutivo, ao Festival DDD – Dias da Dança 2019, evento que une as cidades do Porto, Matosinhos e Vila Nova de Gaia, através da dança contemporânea, e que decorre de 24 de abril a 12 de maio. O TNSJ recebe três espetáculos: Um Encontro Provocado, de Paulo Ribeiro, Fúria, de Lia Rodrigues, e Clarão, de André Braga e Cláudia Figueiredo.

Em Um Encontro Provocado, com coreografia de Henrique Rodovalho, quatro bailarinos expõem-se e confrontam-se nas suas diferenças, num espaço cénico mutável, qual tapete de luta livre. Através da comunicação entre corpos e movimento exprimem-se aspetos, níveis e questões de género inerentes à ausência e presença transversal da violência como sentimento humano. O espetáculo – uma produção da CPR Viseu/Companhia Paulo Ribeiro e coprodução do Teatro Viriato e TNSJ – vai estar em cena, no TNSJ, entre 26 e 28 de abril.


"Fúria" ©Lia Rodrigues

"Fúria" ©Lia Rodrigues

Em Fúria, a mais recente criação da coreógrafa brasileira Lia Rodrigues – figura de referência da dança sul-americana –, um grupo de nove bailarinos é moldado enquanto corpo (social), exprimindo-se em variações solitárias, composições em grupo ou em desassossego de turba. Fúria transforma o palco num mundo de f(r)icção em constante mutação, “um mundo de fúria tumultuado por questões sem resposta”, contrastes e paradoxos, explica Lia Rodrigues. O espetáculo move-se na fronteira entre dança, performance, instalação e ritual, instigando tanto o imaginário como a consciência do espectador. Fúriapode ser visto nos dias 2 e 3 de maio, no TNSJ.


"Clarão" ©José Caldeira

"Clarão" ©José Caldeira

Desenvolver uma reflexão sobre a ideia de ritual a partir do Serapeum de Panóias, complexo arqueológico nos arredores de Vila Real ligado aos primórdios do sagrado, foi o desafio-convite na origem de Clarão. Na cosmogonia dos ritos de Panóias, os diretores artísticos André Braga e Cláudia Figueiredo reconheceram um núcleo de questões imemoriais sobre os mistérios da morte e da luz, uma visão panteísta do mundo, onde pedra, ar, sangue, cinzas, espectros, fantasmagorias, sonhos e clarões se imiscuem em rituais de transe, iniciação e purificação. Clarão tem uma forte dimensão transdisciplinar, assentando em diálogos imbricados entre dança, teatro, som, luz e vídeo, e conta com a participação de um grupo da comunidade local. O projeto vai estar em palco no TNSJ, entre os dias 10 e 12 de maio.

Durante o festival, o Teatro Nacional São João acolhe ainda uma Masterclass sobre o trabalho que Lia Rodrigues tem desenvolvido na Favela da Maré (Morro do Timbau), no Rio de Janeiro. O momento está agendado para 3 de maio, entre as 11h00 e as 13h00, com entrada gratuita, e é destinado a 30 pessoas, permitindo aos participantes explorar o processo de criação e composição das coreografias. As inscrições terão de ser efetuadas previamente para o e-mail dddextra@festivalddd.com, sendo necessária a apresentação do bilhete do espetáculo.


cardapio.pt @ 24-4-2019 15:44:34