Museu Nacional de Soares dos Reis mostra exposição de pintura de António Cardoso

No Museu Nacional de Soares dos Reis está patente ao público, até ao dia 23 de Fevereiro, a exposição “António Cardoso | Em paralelo – Arte, Memórias, Referências e Contextos”, da autoria do Director do Museu Amadeo de Souza-Cardoso. A mostra pretende ser um tributo à arte de António Cardoso.

cardapio.pt @ 28-1-2014 15:40:49

A organização da exposição de pintura nasceu de uma iniciativa levada a cabo por um grupo de antigos alunos do Professor Doutor António Cardoso que teve como finalidade exprimir um gesto de amizade, consideração e reconhecimento, mas também, expressar a admiração pelo pedagogo, pelo investigador, pelo museólogo e pelo artista que de maneira genuína e rara o Professor António Cardoso nunca deixou de ser, culminando num percurso de vida notável que logrou transfigurar aquela quadratura, numa circularidade fundadora e intensificadora de sentido.


A exposição pode ser visitada à terça-feira, das 14:00 às 18:00 e de quarta-feira a Domingo das 10:00 às 18:00.


António Cardoso Pinheiro de Carvalho nasceu em Amarante em 1932. Concluiu o Curso do Magistério Primário em 1951. A sua formação artística iniciou-se com a frequência da Academia Alvarez (anos 50) e da Escola Superior de Belas Artes do Porto (1965-1966).


A sua ligação a Amarante e ao Museu Amadeo de Souza-Cardoso determina o convívio, nos anos 50, com Albano e Victor Sardoeira. Foi através dele que se realizaram em Amarante exposições de Arte Moderna, organizadas pela Galeria Alvarez e que se realizaram no Porto exposições de Amadeo de Souza-Cardoso, num intercâmbio cultural que se prolongaria tempo fora.


Nos anos 60 integrou o Instituto de Meios Audiovisuais e o Instituto de Tecnologia Educativa, apresentando programas de Televisão Escolar entre 1963 e 1965. Entre este ano e 1974, foi realizador da Televisão Educativa e da Telescola/ITE. Foi director do Curso do CPTV / ITE (1977-1981) e coordenou diversas ações de formação de Professores do Ensino Básico e Secundário, e de Professores do CPTV, difundidas pela RTP do Instituto de Tecnologia Educativa.


Paralelamente, frequentava a Faculdade de Letras da Universidade do Porto onde se licenciou em História, em 1974.


A partir de 1981 integrou o quadro de docentes do Curso de História, variante de Arte, da Faculdade de Letras, tendo leccionado, entre outras, as cadeiras de Sociologia da Arte e História da Arte do século XX. Leccionou ainda no Mestrado de História de Arte do Departamento de Ciências e Técnicas do Património, nos Seminários de Verão orientou teses de mestrado e de doutoramento e coordenou diversas visitas guiadas e exposições.


Em 1982, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, visitava a Bienal de Veneza e a Documenta 7, de Kassel.


Doutorou-se em História da Arte com uma tese que viria a ser editada com o título “O Arquitecto José Marques da Silva e a arquitectura no Norte do país na primeira metade do século XX” (Faup Publicações, 1997). O trabalho desenvolvido para a tese de doutoramento conduziu à doação do legado de Marques da Silva à Universidade do Porto, que viria a dar origem ao Instituto Arquiteto José Marques da Silva, em 1994.


Representou a Faculdade de Letras da Universidade do Porto na Comissão do Património da Câmara Municipal do Porto, entre 1996 e 2001.


O seu interesse pelo património artístico e arquitectónico também tinham já determinado que ocupasse o lugar de delegado da Junta Nacional da Educação, em Amarante, tendo estado ligado à classificação do património arquitectónico daquela localidade.


É investigador na área da história da arquitectura e da pintura, tendo publicado numerosos textos e ensaios em catálogos de exposições. Foi responsável científico de importantes exposições na cidade do Porto: Marques da Silva/Arquiteto 1896/1947 (Casa do Infante, 1986); Casa de Serralves, retrato de uma época (Casa de Serralves 1988); e Aguarelas de Marques da Silva (Instituto Marques da Silva, 2001). Tem divulgado particularmente a obra de Amadeo de Souza-Cardoso, em Portugal e no estrangeiro.


Diretor do Museu Amadeo de Souza Cardoso, em Amarante, a partir dos anos 90, tendo sido responsável pelo catálogo da coleção do Museu, editado em 1997.


Realizou exposições individuais na Galeria Divulgação, em 1967, no Porto, e no Museu Amadeo de Souza-Cardoso, em 1979, em Amarante.


Participou em numerosas exposições coletivas. Recebeu o Prémio dos Críticos de Arte para a Representação Portuguesa na I Bienal de Paris, de 1959.


A sua actividade profissional é vasta e invulgar, uma vez que se reparte pelas áreas do ensino, da investigação histórica e da prática artística. Embora o seu empenho na área das humanidades possa ter ofuscado a sua actividade artística, António Cardoso nunca deixou de desenhar e de pintar, sendo certo que esta prática continuada que manteve foi, a partir de certa altura, menos divulgada do que o seu trabalho de professor universitário.


Professor, museólogo, conferencista e crítico de arte, António Cardoso foi membro da APOM (Associação Portuguesa de Museologia), da ARPPA (Associação Regional do Património Cultural e Natural) e é membro da Associação Internacional dos Críticos de Arte (Secção Portuguesa).

cardapio.pt @ 28-1-2014 15:40:49


Clique aqui para ver mais sobre: Exposições