14/9/2019 a 22/9/2019 Companhia Mascarenhas-Martins apresenta "Até Parece" em Almada

Até Parece, um espectáculo da Companhia Mascarenhas-Martins com encenação de Levi Martins, regressa em setembro na Incrível Almadense, com apresentações nos dias 14, 15, 21 e 22. 

cardapio.pt @ 3-9-2019 15:11:25

© André Reis

© André Reis

O texto constitui a estreia de Miguel Branco, jornalista almadense, na escrita para teatro. Os intérpretes são André Alves, Eduardo Dias, Estela Zambujo, João Jacinto, Levi Martins e Pedro Nunes. 

Sinopse

Isto sempre foi assim. Como? Sabemos lá, mas que sempre foi assim isso podemos garantir. Talvez aquela coisa de nunca estarmos bem sentados numa cadeira, cruzamos a perna direita sobre a perna esquerda, cruzamos a perna esquerda sobre a perna direita, coçamos a garganta e ficamos na mesma. Anúncios de colchões ortopédicos que resolvem a ausência de sono, documentários sobre crocodilos, gente viciada em leite, gente viciada em vinagre, a centrifugação que embala o ambiente daquelas lavandarias automáticas, dois irmãos milionários num luxuoso resort lunar, geleiras cheias de cerveja ao domingo. Até Parece mistura quatro realidades – curioso termo – que denunciam a tal impossibilidade de estarmos bem sentados. Mas está tudo bem. Isto sempre foi assim.

Miguel Branco
Nasceu em Almada em 1991. Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social do IPL. É actualmente jornalista freelancer, tendo antes passado pelas redacções do Jornal i, do Sol e da Time Out Lisboa. Já colaborou com o Observador e com a Antena 3. Esteve sempre ligado ao jornalismo cultural e, gradualmente, tem-se aproximado do teatro. Em 2014, para o i, acompanhou o processo de criação do encenador croata Ivica Buljan, a propósito de Cais Oeste, de Bernard-Marie Koltès (espectáculo criado para o Festival de Almada), trabalho que o fez vencer o Prémio Internacional de Jornalismo Carlos Porto. Viria a repetir este tipo de trabalho para o Observador, acompanhando o actor Nuno Lopes na construção da sua personagem para A Noite da Iguana, de Tennessee Williams, com encenação de Jorge Silva Melo e com Os Possessos, a propósito de O Novo Mundo, na Culturgest. Mais recentemente acompanhou Miguel Bonneville no trabalho de criação do espectáculo A Importância de Ser Georges Bataille, que resultou na edição do livro Abutres do AmorAté Parece é o seu primeiro texto para teatro.


Ficha artística e técnica

Interpretação: André Alves, Eduardo Dias, Estela Zambujo, João Jacinto, Levi Martins e Pedro Nunes
Texto: Miguel Branco
Encenação: Levi Martins
Cenografia e figurinos: Adelino Lourenço
Música, som e design: André Reis
Registo vídeo e operação de som: Inês Monteiro Pires
Assistência de encenação e produção: Pedro Nunes
Assistência de produção: Estela Zambujo e João Jacinto

Apoio: Fundação GDA, Câmara Municipal do Montijo, Junta de Freguesia da União das Freguesias de Montijo e Afonsoeiro, Sociedade Filarmónica 1.º de Dezembro, Ateneu Popular de Montijo


Informações

Datas: 14, 15, 21 e 22 de setembro de 2019

Local: Incrível Almadense, Almada

Horários: Sábados - 16h00 e 21h30 | Domingos - 16h00

Preço: 5 euros

cardapio.pt @ 3-9-2019 15:11:25