11/4/2019 a 14/4/2019 Casa da Arquitectura propõe um fim de semana cheio de música, cinema e arquitetura

No âmbito da exposição "Infinito Vão - 90 anos de arquitetura brasileira", a Casa da Arquitectura preparou um programa de atividades paralelas a ter lugar de 11 a 14 de abril.

cardapio.pt @ 10-4-2019 17:07:34

Zuza Homem de Mello, figura maior do jazz no Brasil, musicólogo, jornalista, radialista e produtor musical, é a figura central desta programação que inclui uma Aula Ilustrada e Musicada “90 Anos da Canção Brasileira – 1928 a 2018”, o concerto “Músicas Brasileiras, Músicos Portugueses”, a apresentação e exibição do Documentário “Zuza Homem de Jazz” e também um ato poético inspirado em Clarice Lispector protagonizado pela atriz Camila Pitanga.

No sábado, dia 13, são lançadas as versões portuguesa (coedição Casa da Arquitectura e Editora Monolito) e inglesa (coedição Casa da Arquitectura e Lars Müller Publishers). do catálogo “Infinito Vão” com a presença dos curadores Fernando Serapião e Guilherme Wisnik. Marcelo Ferraz dá uma conferência dedicada ao tema “Brasil Arquitetura”.

Entre 11 e 14 de abril, há cinema, conferências, visitas guiadas, debates, lançamentos de livros e atividades para crianças e famílias concebidas pelo Serviço Educativo da Casa da Arquitectura


Programa

AULA ILUSTRADA E MUSICADA “90 ANOS DA CANÇÃO BRASILEIRA – 1928 A 2018”

11 abril, quinta-feira, 18h00

Casa da Música, sala de Ensaios 1

Entrada gratuita

Levantamento de bilhetes na bilheteira da Casa da Música no dia do evento a partir das 10h00. Máximo de 4 bilhetes por pessoa. O conceituado musicólogo brasileiro, Zuza Homem de Mello, leva à Casa da Música um itinerário ilustrado, em forma de aula musicada, pelos 90 anos da canção brasileira desde os primórdios, nos anos 20 do século passado, até aos nossos dias. O roteiro desta Aula ilustrada e musicada “90 anos da Canção Brasileira, 1928 – 2018” começa no Maxixe, atravessa os Parâmetros do Samba, o Carnaval, a Época de Ouro, o Samba-canção, a Bossa Nova, os Festivais, o Tropicalismo, o Clube da Esquina, a Revitalização do Samba, o Regionalismo, percorre os Descendentes da Bossa Nova, o Pop Brasileiro, a Música Sertaneja e desagua nos novos valores atuais. A aula de Zuza Homem de Mello acontece no dia 11, às 18h00, e está integrada no Programa Paralelo da Exposição “Infinito Vão – 90 Anos de Arquitetura Brasileira”, patente na Casa da Arquitectura.


CONCERTO “MÚSICAS BRASILEIRAS, MÚSICOS PORTUGUESES”

12 de abril, sexta-feira, 21h30

Tanoaria, Casa da Arquitectura

10 euros

Em abril, os sons do outro lado do Atlântico vão ouvir-se de novo na Casa da Arquitectura com a curadoria do conceituado musicólogo brasileiro, Zuza Homem de Mello, tendo como convidado especial o baterista gaúcho Kiko Freitas. A acontecer no dia 12 de abril, o concerto “Músicas Brasileiras, Músicos Portugueses” oferecerá, por isso, uma oportunidade singular de ouvir um repertório conhecido com novas roupagens, executado com a mestria e excelência da Orquestra Jazz de Matosinhos (OJM) dirigida por Pedro Guedes no palco da Casa da Arquitectura. Um espetáculo inédito e irrepetível. Zuza atua na área da música há quase 70 anos – é curador dos principais festivais internacionais de jazz no Brasil – e tem enorme experiência em produções musicais, sendo um nome reconhecidíssimo no seu país. Para este momento único, Zuza escolheu cinco diferentes arranjadores de ponta para escreverem arranjos específicos para doze temas brasileiros que serão levados ao palco pelos músicos da OJM. Atravessando os seis núcleos da Exposição “Infinito Vão – 90 Anos de Arquitetura Brasileira”, onde se cruza com o cinema, a literatura, a imprensa e o design, a música do Brasil tem vindo a inspirar uma intensa programação artística que já trouxe à Casa da Arquitectura nomes grandes do panorama musical do país irmão, como Adriana Calcanhoto, Paula Morelenbaum ou José Miguel Wisnik. Arranjadores, títulos e compositores das canções: Arranjos de Antonio Adolfo (Rio de Janeiro) Carinhoso (Pixinguinha / João de Barro) 2099 (Antonio Adolfo) – novo titulo deste frevo originalmente denominado e registrado como 1989 e 1999 Arranjos de Mario Adnet (Rio de Janeiro) Wave (A. C. Jobim) Nanã (Moacir Santos) Arranjos de Nelson Ayres (São Paulo) Corcovado (Antonio Carlos Jobim) Só Xote (Nelson Ayres) Organdi e gomalina (Nelson Ayres) Arranjos de Nailor Proveta (São Paulo) Linha de passe (João Bosco / Aldir Blanc / Paulo Emilio) Sempre (K-Ximbinho) Vovô Manoel (Nailor Proveta) Arranjos de Letieres Leite (Salvador) Dasarábias (Letieres Leite) Canto prá Nanã (Dorival Caymmi). Os bilhetes custam 10 euros e podem ser adquiridos na bilheteira da Casa da Arquitectura ou diretamente AQUI. O bilhete dá acesso gratuito às exposições patentes na Casa da Arquitectura.

APRESENTAÇÃO E EXIBIÇÃO DO DOCUMENTÁRIO “ZUZA HOMEM DE JAZZ” SOBRE ZUZA HOMEM DE MELLO

Apresentação por Nuno Pacheco 

Dia 13, sábado, 15h00

Casa da Arquitectura

Entrada livre

O documentário resgata a história do jazz dos anos 1950 e sua conexão com a bossa nova Qual é a influência do Jazz na música brasileira? Zuza Homem de Jazz traça um paralelo entre os dois universos através da história de Zuza Homem de Mello, partindo do olhar próximo e intimista do crítico que é referência do jornalismo musical no Brasil. Revisitando seu passado como musicista até os dias de hoje, o documentário expõe a paixão de Zuza pela música, pelo som, por algo que resiste e se transforma através do tempo. Amante do jazz, o jovem brasileiro seguiu para os Estados Unidos, no final dos anos 50, para cursar a School of Jazz em Lenox, Massachussets e para estudar na Juilliard School of Music, em Nova York. Na School of Jazz, programa para jovens que contemplava entre seus professores alguns dos maiores músicos do Jazz de então, Zuza foi aluno do contrabaixista Ray Brown. Em Nova York, além de seus estudos, Zuza estagiou na Atlantic Records como engenheiro de som. Durante sua estada na cidade, conviveu com o que havia de melhor nos clubes de jazz, em seu esplendor nos anos 50. Assim assistiu a centenas de astros como Duke Ellington, Billie Holiday, Miles Davis, Thelonious Monk, John Coltrane entre muitos outros. Neste documentário, ele vai A Nova York para se encontrar novamente com velhos amigos do universo do jazz como Bob Dorough, Gary Giddins, Steve Ross, Eric Comstock, Wynton Marsalis e Maria Schneider. Com depoimentos filmados nos EUA (NYC e Pennsylvania), no Rio e em São Paulo, Zuza recupera antigas histórias vividas por ele em sua trajetória profissional. Mesclando depoimentos com imagens de arquivo ou execuções especiais para o documentário, Zuza Homem de Jazz evidencia como a música brasileira recebeu influência do Jazz desde os anos 20, assim como, no sentido inverso, a música brasileira repercutiu na americana atingindo decisivamente o Jazz.

Género: documentário 
Duração: 91 minutos 
Ficha técnica: 
Direção – Janaína Dalri / Ideia original – Ercília Lobo / Curadoria de Conteúdo – Zuza Homem de Mello / Argumento – Igor Miguel / Produção executiva – Luciana Pires, Monica Monteiro e Fátima Pereira / Direção de fotografia – Francisco Orlandi Neto / Direção de produção – Leandro Estrela / Realização – Cine Group

CONFERÊNCIA BRASIL ARQUITETURA

Marcelo Ferraz 

13, sábado, 18h00

Entrada gratuita

Marcelo Ferraz dá um panorama da produção do escritório Brasil Arquitetura ao longo dos seus 40 anos de atuação (1979-2019) com a apresentação de quatro projetos de equipamentos culturais em diferentes escalas de cidade: da Ilópolis de 4,5 mil habitantes, passando por Registro, de 70 mil habitantes, Recife com 2 milhões, até São Paulo, com 18 milhões habitantes na região metropolitana. São projetos também realizados em diferentes regiões do Brasil, de Sul a Norte. Através destes projetos, o arquiteto procurará explicitar os conceitos e o ideário que guia o escritório na sua prática arquitetónica, como olham para a arquitetura na construção de um mundo e uma vida mais “conversável”.

ATO POÉTICO TEMPO 3

Com Camila Pitanga, Celso Sim, Lucas Santtana 
Participação especial de Domenico Lancellotti e Ricardo Dias Gomes 

13, sábado, 21H30

Casa da Arquitectura

Tempo 3 é um ato poético criado especialmente para o programa paralelo Infinito Vão. Camila Pitanga, Celso Sim e Lucas Santtana farão releituras de clássicos da canção brasileira que dialogam com o imaginário arquitetónico do Brasil, tendo como gatilho a leitura da famosa crónica de Clarice Lispector escrita nos anos 60 sobre Brasília (“Nos começos de Brasília”). Ato poético que reúne leitura, canto e arquitetura sonoras. Os bilhetes custam 8 euros e podem ser adquiridos AQUI e diretamente na bilheteira da Casa da Arquitectura.

LANÇAMENTO CATÁLOGO INFINITO VÃO 
Com Fernando Serapião e Guilherme Wisnik 

13, sábado, 11h00

Casa da Arquitectura

Lançamento das versões portuguesa (coedição Casa da Arquitectura e Editora Monolito) e inglesa (coedição Casa da Arquitectura e Lars Müller Publishers) do catálogo “Infinito Vão” com a presença dos curadores Fernando Serapião e Guilherme Wisnik. Esta obra apresenta mais de 100 projetos criados desde 1928 até 2018, num arco de 90 anos da arquitetura brasileira. Com 400 páginas, o livro conta ainda com ensaios sobre o tema escrito por autores de diversas nacionalidades, como Adrián Gorelik, Ana Luiza Nobre, Ana Vaz Milheiro, Daniele Pisani, Diego Inglez de Souza, Fernando Serapião, Guilherme Wisnik, Jean-Louis Cohen e Wellington Cançado. Preço de capa 50 euros.

cardapio.pt @ 10-4-2019 17:07:34