Springfield assinala o Dia da Mulher com 7 ilustrações muito especiais

A Springfield convidou sete mulheres provenientes de vários países para mostrarem como interpretam a autenticidade feminina através da arte. O resultado foram 7 ilustrações coloridas em que ELA é sempre protagonista. 

cardapio.pt @ 4-3-2020 15:22:25



Deste grupo faz parte a portuguesa Fátima Bravo, ilustradora e designer gráfica.

A pensar nas supermulheres, a Springfield lançou ainda 2 t-shirts já disponíveis nas lojas e em www.myspringfield.com

Veja abaixo as ilustrações das sete artistas.

Xaviera Altena, Países Baixos

A viver em Burgos, Espanha, Sandra Rilova inspirou-se no imaginário das heroínas, mais concretamente nas suas capas. Na ilustração esse simbolismo é capturado através do longo cabelo vermelho em movimento que “transmite uma sensação de liberdade, de poder ser o que cada uma quiser ser”. Liberdade essa também representada pela planta, cujas folhas se escampam e se perdem no vento.

@sandrarilova

Ana Jarén, Espanha

“Todas as mulheres são uma Wonder Woman. Não apenas pelo que mostram, mas sobretudo pelo seu interior”, esta ilustradora andaluz, a viver em Madrid, representa a beleza dos momentos do quotidiano com a mulher sempre como protagonista. A ilustração ao estilo cultura popular respira uma atmosfera acolhedora e vai mais fundo, ao universo interior, que a própria descreve como “ela própria, onde as inquietações são refletidas, o que nos torna únicas”.

@anajarenillustration


Carina Lindmeier

De Linz, Áustria, chega uma ilustração colorida em que o brilho dos tons e a utilização das formas são, sem dúvida, a imagem de marca. “O meu objetivo é criar ilustrações esteticamente apelativas que reflitam emoções e conceitos”. Aqui, Carina explora a força e o poder da mulher através da clareza e pureza da expressão.

@carinalindmeier

María Diamantes

A soma das formas e cores é o elemento central dos projetos da catalã Clara Mercader, a artista à frente do María Diamantes Studio. Com o seu estilo minimalista e tons quentes, deixouse inspirar por uma mulher corajosa e confiante. “Uma mulher que se conhece a si própria, conhece os seus pontos fortes e não tem medo de dizer o que pensa ou cometer erros”. Para ela, autenticidade não requer adornos ou complementos, apenas amarmo-nos umas às outras por dentro e por fora.

@mariadiamantes

Fátima Bravo, Portugal

“A mãe natureza é ELA e as mulheres são como a natureza: fortes, bonitas, independentes, corajosas”, afirma a ilustradora portuguesa, atualmente a viver no Porto. “Ambas se envolvem porque sempre pertenceram uma à outra. Tão delicadas, quase frágeis, mas a verdade é que não há nada mais forte que elas”. Com o seu trabalho, a artista reforça ainda a importância das mulheres se manterem unidas, fiéis a si próprias, sem vergonha ou medo de lutar por um futuro melhor. “Porque a natureza é feminina e estará sempre connosco”.

@_fatimabravo_


Czikkely Panni, Hungria

Da Hungria, Panni fala-nos sobre o background que, para si, acolhe o conceito de feminilidade. “Os estereótipos da fraqueza e vulnerabilidade que estão muitas vezes associados a este conceito abrem caminho a uma mensagem de força, diversidade e intuição natural”. Na ilustração reflete a mulher que faz o mundo girar – “nós sonhamos, abraçamos e criamos” – às vezes como uma fada, outras como uma Wonder Woman.

@czikkcakk

Sandra Rilova, Espanha

A viver em Burgos, Espanha, Sandra Rilova inspirou-se no imaginário das heroínas, mais concretamente nas suas capas. Na ilustração esse simbolismo é capturado através do longo cabelo vermelho em movimento que “transmite uma sensação de liberdade, de poder ser o que cada uma quiser ser”. Liberdade essa também representada pela planta, cujas folhas se escampam e se perdem no vento.

@sandrarilova

cardapio.pt @ 4-3-2020 15:22:25


Clique aqui para ver mais sobre: Fashion - Moda