20/6/2015 a 27/6/2015 A arte de viajar explicada no Museu do Oriente

Uma tertúlia para partilha de experiências e histórias de viagens, dúvidas e sonhos, é o que sugere o Museu do Oriente com o workshop “A Arte de Viajar”, nos dias 20 e 27 de Junho, das 14.00 às 18.00.

LPM Comunicação @ 12-6-2015 13:13:07

Como conviver com as diferenças socioculturais, acautelar questões de segurança e perceber os impactos de uma viagem, em quem parte mas também em quem fica, são algumas das questões abordadas neste curso que não pretende ser um receituário sobre a forma certa de viajar mas, antes, um espaço de discussão destinado a quem já viajou, a quem ainda não o fez e até a quem não pensa fazê-lo. Não vão faltar testemunhos de viajantes experientes como Wilfred Thesiger, Ella Maillart, Rolf Potts ou Jan Morris, a juntar aos contributos dos participantes.

A actividade é orientada por Miguta Água Silva, natural de Lisboa, que estudou e trabalhou na Dinamarca, nos Açores e em Macau e foi intercalando, com os períodos de trabalho, viagens de longa duração, a solo, pela Ásia, África oriental e América Latina. O livro “O mundo é fácil”, de Gonçalo Cadilhe, conta com dois textos da sua autoria.

Workshop “A arte de viajar”
20 e 27 de Junho
Com Miguta Água Silva
Horário: 14.00-18.00
Duração: 8 horas
Preço: € 40,00
Participantes: Mín. 15, Máx. 25

PROGRAMA

Sessão 20 de Junho

1 – AS MOTIVAÇÕES
1.1 – Os lugares-comuns: o exótico, o paraíso, a aventura, a fuga-procura
1.2 – O que podemos esperar? – Expectativas e (des)ilusões
1.3 – Afinal, porque viajamos?

2 – AS MUITAS FORMAS DE VIAJAR
2.1 – Turista/viajante/nómada/vagabundo – Especificidades das viagens de longo curso
2.2 – A solo/em grupo
2.3 – Mulher/homem
2.4 – Planeamento/improviso

3 – A MUDANÇA
3.1 – O que pode a viagem mudar em nós?
3.2 – O que podemos mudar no mundo?
3.3 – O que mudou no mundo – A indústria turística: a nosso favor ou contra nós?

SESSÃO 27 de Junho

4 – IDENTIDADES CULTURAIS
4.1 – Encontro ou/e conflito – Como conviver com as diferenças?
4.2 – Os códigos de conduta; os assédios; a segurança; o bom senso, e a falta dele

5 – RELATOS DE VIAGEM
5.1 – Contar o quê, para quê, e para quem?
5.2 – Os relatos de viagem como fonte de informação

6 – FOTOGRAFIA EM VIAGEM
6.1 – A ética da fotografia – Como fotografar? Quando não fotografar?
6.2 – Fotografar em viagem: uma benesse ou um fardo?

EPÍLOGO – Afinal, o que é viajar? Uma prática em vias de extinção? De tão fácil, tornou-se impossível? Ou poderemos sempre continuar a viajar? De que forma(s)?

LPM Comunicação @ 12-6-2015 13:13:07


Clique aqui para ver mais sobre: Destinos