26/6/2020 a 26/6/2020 Lufada apresenta Madame e Benjamim ao ar livre no Centro Cultural Vila Flor - Guimarães

Esta sexta-feira, 26 de junho, às 18h00, António Alvarenga e Leonor Barata convidam-nos a conhecer Madame – Conversas privadas em espaço público, um ato performativo de interação, onde se trocarão confidências e desabafos, memórias e hesitações, numa conversa-performance de entrada gratuita e sujeita a inscrição prévia. Nesse mesmo final de tarde, às 19h, teremos também oportunidade para ouvir e viajar com Benjamim, cantautor e multi-instrumentista que se apresenta a solo no pátio do CCVF para nos mostrar as canções do novo disco, Vias de Extinção, já com alta rotação nas rádios nacionais. Entre outros temas dos álbuns Auto Rádio e 1986.

cardapio.pt @ 24-6-2020 19:32:48

Madame

Madame

O final de cada semana cai melhor quando nos deixamos surpreender pela inspiração que as artes têm capacidade de criar. Às 18h desta sexta-feira, 26 de junho, o terreiro do Palácio Vila Flor (CCVF) acolhe Madame – conversas privadas em espaço público, propondo um encontro para o qual o convidado é desafiado a colocar uma questão que obedeça aos critérios tradicionais dos temas abordados pelos videntes-oráculos-profetas (trabalho e negócios; amor e família; sorte e azar). Este será o mote para o desenvolvimento de uma conversa na fronteira entre a confidência, o conselho e o desabafo, onde Madame relembra histórias e parábolas, partilha experiências e expetativas e questiona o real, jogando-se tudo num limbo de definições. Madame é assombrada por outra voz e outro corpo que serão extensões de si e que a usam como veículo de comunicação. Não é só Madame que tem acesso à questão e memórias do convidado, mas também este tem acesso às memórias e hesitações de Madame, aos seus esquemas metais, às suas múltiplas personas. É aqui que se dá o encontro. Encontro este criado e interpretado por António Alvarenga e Leonor Barata, com o acompanhamento dramatúrgico de João Fiadeiro. A participação é gratuita e tem lotação limitada, estando sujeita a uma inscrição através do e-mail bilheteira@aoficina.pt devido às caraterísticas desta conversa-performance.  

Também esta sexta-feira, a ‘Lufada’ prossegue na companhia da voz, do piano e da guitarra (acústica) de Benjamim, que se apresenta a solo no pátio do Centro Cultural Vila Flor (CCVF), a partir das 19h00. Vias de Extinção – o sucessor dos discos Auto Rádio e 1986 (este ao lado do também cantautor, multi-instrumentista e produtor Barnaby Keen), ambos lançados através da Pataca Discos, que agora se associa à Sony Music – dá-se a conhecer neste final de tarde pela mão do seu criador, cujo single de lançamento com o mesmo nome já se tem ouvido e alcançado pódios nas rádios. Neste mais recente trabalho, o escritor de canções português colocou a guitarra num canto, fez as pazes com o instrumento de sempre, o piano, e com a sua velha paixão – o velho e pouco fiável sintetizador Roland Jupiter 6. Benjamim, que também é produtor, ligou a caixa de ritmos ao gravador de cassetes e partiu para a maior aventura sónica da sua discografia, da qual o tema Vias de Extinção é só mesmo a introdução. Escrito entre o fim da noite e o início do dia, é também o seu registo mais cru e direto, no que toca às letras e respetivas dores de crescimento.   


Benjamim

Benjamim

Este escritor de canções que passou quatro anos radicado em Londres voltou para Portugal em 2013 para compor Auto Rádio, um trabalho em busca das histórias que não existem em mais parte nenhuma do mundo. Ainda antes do lançamento, em setembro de 2015, Benjamim percorreu o país de norte a sul para apresentar as músicas numa digressão de 33 datas seguidas ao volante da sua Volkswagen. Auto Rádio foi considerado melhor álbum do ano em vários meios de comunicação social. O músico editou no final de 2017 o disco 1986, fruto de uma parceria com o britânico Barnaby Keen. A estreia ao vivo teve lugar no Festival Músicas do Mundo de Sines e a banda marcou presença ainda no Vodafone Mexefest (Lisboa) e Cool Jazz Fest (Cascais). As músicas Dança com os TubarõesTerra Firme e Madrugada mereceram grande destaque nas rádios nacionais. Depois do tema Zero a Zero, escrito para Joana Espadinha no contexto do RTP – Festival da Canção, Benjamim assinou também em 2018 a produção do disco da mesma artista, O Material Tem Sempre Razão, do trabalho Cidade Fantástica, de Flak, e ainda o álbum de estreia de Cassete Pirata. O ano de 2020 marca assim o regresso às edições discográficas com o aguardado Vias de Extinção. A entrada neste concerto é igualmente gratuita e as entradas irão acontecer por ordem de chegada, até à lotação do pátio do CCVF.  

De recordar que até 10 de julho, sempre à sexta-feira, as artes continuam a ocupar pátios, jardins e salas de museu com uma ‘Lufada’ cultural que nos abre as portas ao fim de semana, ao vivo e genericamente ao ar livre. A 3 de julho, Minta & The Brook Trout apresentam-se em duo nos Jardins do Palácio Vila Flor, às 19h00. E o último dia de ‘Lufada’ (10 julho)surge com dois espetáculos. Às 19h00, o pátio do CCVF recebe um dos mais proeminentes pianistas da sua geração, Pedro Emanuel Pereira. A noite chama Surdina ao jardim do Centro Cultural Vila Flor. Falamos do filme-concerto de Rodrigo Areias, com música ao vivo de Tó Trips, que às 21h45 é apresentado em colaboração com o Cineclube de Guimarães. Sempre com a segurança como prioridade, os espetáculos e atividades deste programa são de entrada gratuita, por ordem de chegada. A lotação é limitada e a abertura ao público acontece meia hora antes do início dos espetáculos. De ressalvar também a possibilidade de acompanhar a transmissão audiovisual dos concertos em direto nas respetivas redes sociais da cooperativa cultural A Oficina, oferecendo assim a possibilidade a um público mais alargado assistir aos mesmos, esbatendo-se a limitação da lotação de segurança determinada para cada uma das apresentações.  

Mantêm-se também abertas, em permanência, as inscrições para visitas e oficinas do programa ‘Lufada’. Neste âmbito, o serviço de Educação e Mediação Cultural d’A Oficina promove uma oferta de atividades para realizar em pequenos grupos, com família, com amigos, com a proximidade de sempre. Falamos de Visitas orientadas às exposições patentes na Casa da Memória, no Centro Internacional das Artes José de Guimarães e no Palácio Vila Flor, bem como Oficinas de artes plásticas (‘Viagem ao Oriente’) e visuais (‘A Escala da Fronteira’), de tapeçaria (‘Um Tapete e o que Mais?’) e fotografia (‘Memórias Reveladas’) a decorrer preferencialmente no espaço exterior da Casa da Memória e do Centro Internacional das Artes José de Guimarães. Tudo para conhecer em pormenor nos websites www.aoficina.pt e emc.aoficina.pt. Estas atividades são igualmente gratuitas e realizadas por marcação prévia obrigatória com, pelo menos, 5 dias de antecedência, através de telefone 253 424 716 ou e-mail mediacaocultural@aoficina.pt. Para marcações para grupos com mais de 7 pessoas, é aconselhado contactar através do mesmo e-mail para serem definidas alternativas.

cardapio.pt @ 24-6-2020 19:32:48


Clique aqui para ver mais sobre: Música