Manucure de Mário de Sá-Carneiro no âmbito do projeto Orpheu 100

4 de Outubro às 18h – Atelier-Museu Júlio Pomar

No ano em que se comemora o centenário da publicação da revista Orpheu, João Grosso concebe e interpreta Manucure, a partir do emblemático poema de Mário de Sá-Carneiro. O Atelier-Museu Júlio Pomar recebe este espetáculo, em parceria com o TNDM II. 

TNDM II @ 25-9-2014 11:21:00

Uma personagem encontra-se no café, comovendo-se com a sua própria sensação de ternura, e progressivamente instala-se o caos e a loucura: a tensão entre o interior e o exterior, a modulação vocal inspirada no ondear aéreo e nas cacofonias dos transportes e da indústria, a sensualidade da ausência de suporte, o cadenciado da máquina que se transforma em Rap, uma chávena de café que se transforma em ser desfeito...

A partir de um texto provocatório, com um fôlego futurista, Manucure é um pouco recital, um pouco concerto, um pouco interativo, um pouco plástica sonora. Dissolve-se a unidade da linguagem, desmantela-se a sintaxe, desvaloriza-se o valor expressivo da palavra para se sentir apenas "a tristeza das coisas que nunca foram”.

de Mário de Sá-Carneiro

interpretação João Grosso

beater José Budha

TNDM II @ 25-9-2014 11:21:00


Clique aqui para ver mais sobre: Teatro