Cinema em casa: "O Corvo Branco" estreia no TVCine Edition

Para dançar é preciso ser livre

O Corvo Branco, é um biopic dramático repleto de arte que estreia em exclusivo na próxima quinta-feira, 26 de março, às 22h00, no TVCine Edition.

cardapio.pt @ 23-3-2020 16:31:42

© 2019 BRITISH BROADCASTING CORPORATION AND MAGNOLIA MAE FILMS

© 2019 BRITISH BROADCASTING CORPORATION AND MAGNOLIA MAE FILMS

Esta terceira longa-metragem de Ralph Fiennes conta a história de um jovem, de apenas 22 anos, vestido com uma boina preta e um fato escuro justo, que viaja num avião de São Petersburgo para Paris. Estamos em 1961 e Rudolf Nureyev ainda não é uma figura lendária e majestosa: dança na mundialmente famosa companhia de Ballet Kirov e viaja pela primeira vez para fora da União Soviética. A vida parisiense encanta Nureyev e o jovem bailarino está ávido por consumir toda a cultura, arte e música que a deslumbrante cidade tem para oferecer. Mas os agentes do KGB, que o observam a cada movimento, tornam-se cada vez mais desconfiados do seu comportamento e da amizade com a jovem parisiense Clara Saint. Quando finalmente confrontam Nureyev com uma exigência chocante, ele é obrigado a tomar uma dolorosa decisão que poderá mudar para sempre o curso da sua vida e colocar em perigo a sua família e amigos.

O bailarino ucraniano Oleg Ivenko foi o escolhido para interpretar Nureyev, e o elenco conta ainda com interpretação do realizador Ralph Fiennes (nomeado para o Óscar® de Melhor Ator em O Paciente Inglês), Adèle Exarchopoulos (Fidelidade Sem Limite) e Louis Hofmann (A Agente Vermelha), entre outros.

Rudolf Nureyev (1938 - 1993) foi um dos mais celebrados bailarinos do século XX, primeira estrela masculina do bailado desde Vaslav Nijinsky (1889 -1950), tendo reformulado o papel da figura masculina na dança. Em 1961, quando estava em tournée com o Ballet Kirov em Paris, furou a barreira da segurança soviética e pediu asilo político no Aeroporto de Le Bourget. O bailarino foi o primeiro artista soviético a fugir durante a Guerra Fria, o que teve grande impacto internacional. Dançou nalguns dos palcos mais importantes do mundo, e com grandes bailarinas, como Margot Fontayne, Eva Evdokimova e Veronica Tennant, e foi convidado para diretor do Ballet da Ópera de Paris, em 1983, tendo continuado a dançar. Em 1989 dançou na União Soviética pela primeira vez desde que a abandonara. Fez a sua última aparição pública em outubro de 1992, como diretor na estreia parisiense de uma nova produção de La Bayadère, tendo morrido no ano seguinte em Paris. 


cardapio.pt @ 23-3-2020 16:31:42


Clique aqui para ver mais sobre: Cinema