10/5/2018 a 13/5/2018 Centro de Artes de Águeda comemora 1.º aniversário com programação especial

Foi no dia 11 de maio de 2017 que o Centro de Artes de Águeda abriu as suas portas ao público, colocando assim a cidade no itinerário das grandes produções nacionais e internacionais e trazendo uma nova dinâmica cultural e artística à região. 

cardapio.pt @ 8-5-2018 18:21:49

Centro de Artes de Águeda /©José Caldeira

Centro de Artes de Águeda /©José Caldeira

Para celebrar o seu primeiro ano de existência o Centro de Artes de Águeda apresentará três espetáculos que irão ter lugar de 10 a 13 de maio. São três propostas que refletem precisamente o ecletismo e a qualidade técnica e artística da oferta cultural do Centro de Artes no intuito de continuar a promover o contacto próximo da comunidade com um vasto conjunto de linguagens e disciplinas artísticas.


Teatro: "O Deus da Carnificina" - 10 e 11 de maio | 21h30

Nada nos tira do sério ou potencia o nosso lado animalesco e protetor como uma investida contra os nossos filhos. Este espetáculo constitui uma oportunidade para explorar vários registos de comédia negra onde o sarcasmo, a ironia e o cinismo, são instrumentos a que o texto recorre e que os atores naturalmente integram no jogo e que, no combate que se adivinha, provocam risos. Alguns são risos nervosos, descontrolado por vezes, como quem assiste a um funeral e se ri perante uma situação trágica, mas que aos nossos olhos resulta, involuntariamente, caricata, ridícula até.

Quando olhamos ao espelho, por vezes, o nosso reflexo é adulterado pelo nosso cérebro, de modo a que a perceção dos nossos receios mais profundos, seja suavizada, como que nos preparando para uma realidade não desejada. “O Deus da Carnificina” tem esse mesmo efeito em nós. No fundo desejamos não ser nenhuma das personagens aqui retratadas, mas não nos conseguimos impedir de identificar determinados comportamentos, que embora condenemos nos são demasiadamente familiares.

O espetáculo "O Deus da Carnificina" sobe ao palco do Centro de Artes de Águeda nos dias 10 e 11 de maio, às 21h30. A entrada é gratuita.

Ficha artística e técnica

Autoria Yasmina Reza
Tradução e Encenação Diogo Infante
Com Diogo Infante Jorge Mourato Patrícia Tavares Rita Salema Cenografia e Adereços Catarina Amaro
Desenho de Luz Tânia Neto
Espaço Sonoro Rui Rebelo
Assistência de Encenação Isabel Rosa
Fotografia Carlos Ramos
Direcção de Produção Ana Rangel Miguel Dias
Coprodução Teatro da Trindade INATEL Plano 6


Ópera Madame Butterfly - 12 de maio, 21h30

A comovente história de uma bela e jovem gueixa que sacrifica a família, religião e a própria vida por amor ao marido americano, é uma das mais emblemáticas óperas de Giacomo Puccini. Com libreto de Luigi Illica e Giuseppe Giacosa, Madame Butterfly destaca-se pelo poder dramático da sua composição, característica da obra de Puccini, e estreou no Teatro Alla Scala - Milão, a 17 de Fevereiro de 1904. Em Lisboa, foi apresentada pela primeira vez a 10 de Março de 1908, no Teatro Nacional de São Carlos.”

Madame Butterfly (Senhora Borboleta) é uma ópera em três atos (originalmente em dois atos) com música de Giacomo Puccini e libreto de Giuseppe Giacosa e Luigi Illica baseado na obra para teatro de David Belasco, que se inspirou no livro de Pierre Loti, Madame Chrysanthéme… A versão alterada que conquistou o público foi lançada em Brescia a 18 de maio de 1904. Juntamente com La Boheme e Tosca, é uma das três óperas mais representadas do compositor. Esta é uma das óperas mais executadas internacionalmente, tendo sido dirigida por importantes diretores/maestros de cena lírica, como por exemplo, Ken Russell, Harold Prince e Anthony Minghella, autor de uma encenação controversa em Londres e Nova York.

A ópera Madame Butterfly vai ser apresentada no Centro de Artes de Águeda no sábado, dia 12 de maio, às 21h30. Os bilhetes têm o valor de 20 euros.

Ficha artística e técnica

Interpretação Opera del Mediterraneo

Personagens

Soprano Cio-Cio San
Mezzo-soprano Suzuki
Tenor Benjamin F. Pinkerto
Barítono Sharpless
Mezzo-soprano Kate
Tenor Goro
Barítono Yamadori
Baixo Bonzo
Barítono Comissário delegado imperial
Baixo Yakuside
Mezzo-soprano Mãe da Butterfly

Produção Grupo Sona

Teatro "A Bela e o Monstro" - 13 de maio | 17h00

Um príncipe que vivia num palácio rodeado de rosas vermelhas, símbolo máximo do Reino das Rosas e riqueza rara nos reinos contíguos. Conhecido por ser muito mau, preguiçoso e extremamente vaidoso, o príncipe vivia indiferente perante a beleza e a pureza das rosas. Preocupava-se apenas com a sua própria beleza e em ter cada vez mais ouro. Aproveitando a ausência do seu pai, o Rei, vendia toneladas de rosas aos reinos vizinhos, que não tinham a sorte de ver crescer, nas suas terras, tão especial riqueza.

Um dia, Clóris, a fada protetora das rosas, receando que as mesmas acabassem no Reino, lançou uma maldição ao príncipe transformando-o num monstro e todas as rosas do reino ficaram pretas, símbolo de tristeza, para que não as conseguisse mais vender. Para voltar a ter aspeto humano, o príncipe teria agora de encontrar uma mulher que se apaixonasse por ele e só nessa altura todas as rosas do Reino voltariam a ser vermelhas. Mas quem algum dia irá apaixonar-se por um Monstro…?!

"A Bela e o Monstro" é um espetáculo para toda a família que sobe ao palco do Centro de Artes de Águeda na tarde de domingo, dia 13 de maio, às 17h00. A entrada é gratuita.

Ficha artística e técnica

Encenação Paulo Sousa Costa João Didelet
Adaptação Paulo Sousa Costa
Compositor Tiago Derriça
Direção Musical João Pires

cardapio.pt @ 8-5-2018 18:21:49


Clique aqui para ver mais sobre: Centro de Artes de Águeda - Notícias / Eventos