17/6/2016 a 27/8/2016 Exposição "Seesaw" para descobrir na Casa-Museu Medeiros e Almeida

Estás prestes a inaugurar na Casa-Museu Medeiros e Almeida, em Lisboa, a exposição de arte contemporânea “SEESAW’’, composta por desenhos de Sofia Pidwell. Patente ao público de 17 de junho até 27 de agosto na Galeria de Exposições Temporárias, com entrada gratuita.

cardapio.pt @ 14-6-2016 13:13:25

A exposição parte de um elemento feminino de traje fraturante – o bioco, uma espécie de burca portuguesa que se usava no Algarve e que acabou proibido em finais do século XIX.

A partir do bioco, Sofia Pidwell desenvolve uma interpretação da sua arte e cria cinco momentos-chave de interação/performance com o público ao longo da exposição, pensada e criada de raiz para a Casa-Museu Medeiros e Almeida.


Segundo João Caraça, diretor da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris, que escreve o texto que acompanha a exposição: «Vivemos no espaço e convivemos no tempo. Espaço e tempo são palavras tão correntes no nosso dia-a-dia que nos impedem de pensar no que significam de facto “espaço” e “tempo”, se são noções interdependentes ou se, pelo contrário, constituem categorias distintas. E, no entanto, reconhecemos que os conceitos de espaço e de tempo condicionam e regulam a nossa vida social, afectiva, económica e política».

«A exposição de Sofia Pidwell é, ao mesmo tempo, um processo. Um processo que se desenvolve em quatro momentos: Observação; Libertação; Contemplação; Ser Autêntico. O que, para qualquer físico de formação como eu, faz lembrar imediatamente os estádios do método científico clássico: Observação; Hipótese; Experimentação; Teorização. Redobrei de atenção...», afirma João Caraça.

«Os visitantes podem visitar a exposição totalmente cobertos com uma capa, que estará à disposição. Essa capa, uma alusão simbólica ao bioco usado pelas mulheres algarvias, serve para que quem assista possa fazê-lo afastado dos olhares dos outros e do seu próprio olhar, dando uma liberdade total de ser o que cada um é.», explica Teresa Vilaça, diretora da Casa-Museu Medeiros e Almeida.


A artista plástica regressa à Casa-Museu onde realizou a sua primeira individual sete anos depois. Aqui e agora «o traço de Sofia Pidwell constrói-se a partir de estruturas básicas que mais parecem quanta do espaço-tempo, com curvaturas revelando a existência da matéria, as suas torções e vórtices assinalando a complexidade do real», segundo João Caraça, que convida a observar e a experimentar, para perceber.

Para os mais curiosos: «O bioco algarvio caracteriza-se por ser “uma capa imensa negra, até aos pés, com um cabeção que chega à cintura. De fazenda quente para o inverno, ou mais leve, para as noites de verão, o bioco era o trajo obrigatório de toda a senhora que quisesse dar testemunho público de uma vida séria e recatada. Para além de cobrir todo o restante vestuário e impedir assim a comparação entre vestidos mais ou menos elegantes ou ricos, a possibilidade de virar o cabeção por forma a tapar totalmente o rosto permitia mesmo ocultar a identidade de quem o usava”».

In Os Biocos do Algarve, de P.e José da Cunha Duarte e Emanuel Andrade Sancho

INFORMAÇÕES

Datas: 17 de junho a 27 de agosto de 2016

Local: Casa-Museu Medeiros e Almeida, Lisboa

Preço: Entrada gratuita

cardapio.pt @ 14-6-2016 13:13:25